Delegação de Oliveira de São Mateus

Actualidades Notícias
Últimas notícias
Prevenir, Capacitando

psico2

A Cruz Vermelha Portuguesa através do gabinete Psicossocial da Sede Nacional organizou, entre os dias 1 e 3 de Setembro, a segunda edição da formação Intervenção Psicossocial em Crise, dinamizada pelo psicólogo Bruno Brito.

Por ter uma vertente prática acentuada, o local da formação foi o Centro Humanitário do Estuário do Tejo – pelas condições físipsico1cas que permitiram a prática de um-para-um, mas também um exercício final que envolveu de forma bastante ativa os 21 formandos.

A Rede de Estruturas Locais CVP ficou mais capacitada para intervenção psicossocial em situações de excepção, nomeadamente: os Centros Humanitários do Estuário do Tejo, do Oeste Norte, de Évora, do Baixo Mondego; e as Estruturas Locais de Porto/Matosinhos, Estremoz, Elvas, Marinhas, Frazão e a própria Sede Nacional.

Capacitar a comunidade e a Rede CVP, em momentos de normalidade, para melhor intervir em fases de emergência, torna-se um objetivo significativo a cumprir – tanto para melhor proteger quem está na primeira linha do suporte e intervenção comunitária, como para que a própria sociedade civil receba apoio especializado e diferenciado nos momentos de maior vulnerabilidade.

Na prática, qualquer pessoa sujeita a uma situação de vida grave, que traga consequências na sua normalidade e da qual lhe seja especialmente difícil recuperar por si, deve ter direito a ser apoiada de forma gratuita e especializada.

A intervenção psicossocial em crise deve de ser devidamente enquadrada em sistemas e planos de emergência, acidente grave e catástrofe. Não devem surgir iniciativas isoladas ou desassociadas de qualquer rede de apoio previamente instituídas e legitimada para esse efeito – daí a importância da CVP promover esta e outras formações no domínio da psicotraumatologia.

psico3 psico4


A terceira edição desta formação realizar-se-á em data a anunciar brevemente.

 
Dia Mundial dos Primeiros Socorros - 09 de setembro

Os primeiros socorros são gestos simples que salvam vidas e aliviam o sofrimento humano.

No dia 9 de Setembro de 2017 o Movimento Internacional da Cruz Vermelha celebra o Dia Mundial dos Primeiros Socorros, este ano dedicado aos acidentes domésticos.

Em Portugal estima-se que 40% das vítimas de acidente que dão entrada em hospitais, sofreram os acidentes em casa ou no lazer, sendo que as faixas etárias inferiores aos 5 anos de idade e superiores aos 65, são as mais afetadas.

Foi desenvolvido um jogo para toda a família testar os conhecimentos em prevenção de acidentes domésticos e de Primeiros Socorros.

Teste agora os seus conhecimentos.

 

notificacoesmorte

Notificações de Morte na CVP

No dia 15 de Setembro vai realizar-se, na Sede Nacional da Cruz Vermelha Portuguesa, a 3ª edição da formação sobre “Notificações de Morte”.

A formação é dinamizada pela Mestre em Psicologia Clínica, psicoterapeuta EMDR e Formadora da International Critical Incident Stress Foundation, Ana Isabel Cambraia.

Trata-se de uma formação especializada, direcionada para psicólogos; médicos; enfermeiros; assistentes sociais; profissionais de protecção civil; operacionais de emergência e socorro; profissionais dos serviços de apoio à vítima; forças de segurança; recursos humanos empresas.

Ao longo das 7h de formação irão ser abordados temas como: os princípios fundamentais para uma notificação de morte; Morte inesperada vs esperada; Comunicação verbal e não verbal; identificar as reações comuns dos sobreviventes; caracterizar as 4 fases de uma notificação de morte (protocolos); e abordar as Considerações especiais para algumas notificações de morte, nomeadamente quando envolvem crianças, pais, idosos, desastres, suicídio, homicídio, escolas.

Na prática pretende-se que os formandos saibam organizar e fazer uma notificação de morte com humanidade, sensibilidade e de forma eficaz.

Para mais informações e para inscrição, por favor, clique aqui: http://cvppsicotraumatologia.weebly.com/notificaccedilotildees-de-morte.html

 
Movimento Internacional da Cruz Vermelha repudia o assassinato de voluntários na República Centro-Africana
Quinta, 10 Agosto 2017 14:48

O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho está chocado e triste com a morte violenta de seis voluntários, no início da semana, na República Centro-Africana (RCA).

O grupo participava numa reunião num centro de saúde na cidade de Gambo, no sudeste da República Centro-Africana, a 3 de agosto. As circunstâncias exactas ainda não estão claras. No entanto, os relatórios indicam que outros civis e médicos também podem ter sido mortos.

O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho condena fortemente este que foi o terceiro atentado este ano na RCA contra membros da Cruz Vermelha.

“Estamos chocados com a notícia da morte de nossos colegas”, disse Antoine Mbao-Bogo, presidente da Cruz Vermelha da República Centro-Africana. “Solicitamos a todas as partes que tomem medidas para poupar a população civil e respeitem os nossos voluntários que prestam ajuda humanitária”.

O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e Crescente Vermelho está profundamente preocupado com o aumento da violência na República Centro-Africana nos últimos meses. A violência que também tem como alvos os voluntários está a impedir que a Cruz Vermelha ajude as comunidades que foram severamente afectadas pelo conflito armado.

O Movimento, mais uma vez, pede aos actores armados que respeitem e protejam médicos, ambulâncias e instalações médicas. O pessoal armado não deve entrar em instalações de saúde, e todos os grupos precisam de facilitar a evacuação dos doentes e feridos para os hospitais.

O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho estende as suas mais sinceras condolências às famílias dos mortos no ataque de 3 de Agosto e aos seus colegas e amigos em toda a República Centro – Africana.

 
«InícioAnterior123456789SeguinteFinal»

JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL